A cidade de São Paulo, maior capital do país, ainda apresenta Níveis de Risco Elevado para a COVID-19. As medidas de mitigação implantadas foram moderadas e com um nível baixo de fiscalização.

Principais conclusões

  • O nível de risco de COVID-19 na capital do estado de São Paulo permanece moderado-alto desde o início do mês de maio, segundo classificação do Instituto de Saúde Global da Universidade de Harvard.
  • Segundo dados da secretaria estadual de saúde de São Paulo, até 17 de setembro as mortes acumuladas por COVID-19 totalizavam 12.266 na capital. Usando como fonte o Boletim diário Covid-19 no município de São Paulo de 18 de setembro, o valor de óbitos acumulados por COVID-19 é expressivamente maior, com 19.033 óbitos, representando a soma dos 5.789 óbitos suspeitos com 13.244 óbitos confirmados.
  • Usando os dados do local de moradia das pessoas que faleceram por COVID-19 na capital, a distribuição dos óbitos foi heterogênea. Os valores mais altos foram registrados no mês de maio nas subprefeituras de Casa Verde, Parelheiros, Santo Amaro, Mooca e Freguesia do Ó, onde as taxas de óbitos por COVID-19 por 100 mil habitantes variaram entre 50 e 59,9.
  • Desde que foi decretado o Plano São Paulo, com objetivo de organizar a reabertura econômica no estado, a capital permaneceu em níveis intermediários de restrição de atividades, de acordo com a classificação estadual.
  • Dados inéditos levantados pela Rede de Pesquisa Solidária destacam que a efetividade das normas de regulamentação de restrição de atividades econômicas e circulação de pessoas foi limitada pela falta de fiscalização.
  • A pesquisa da Rede de Pesquisa Solidária também mostra que há uma escassez de dados disponíveis sobre os esforços de fiscalização às violações das medidas de combate à pandemia. Os dados de fiscalização somente foram obtidos após vários pedidos às subprefeituras e à Controladoria Geral do Município (CGM) e a qualidade da informação não tornou possível uma análise detalhada da estratégia da fiscalização da capital.

Equipe responsável

Coordenação: Lorena Barberia (USP), Carolina Langbeck Osse (USP) e Raquel Requena Rachid (PUC)

Colaboração

  • Tatiane C Moraes de Sousa (Fiocruz)
  • Dara Aparecida (DCP-USP)
  • Luiz Guilherme Roth Cantarelli (DCP-USP)
  • Maria Letícia Claro (DCP-USP)
  • Isabel Seelaender Costa Rosa (DCP-USP)
  • Pedro H. de Santana Schmalz (DCP-USP e CEPESP/ FGV)
  • Marcela Mello Zamudio (DCP-USP e CEPESP/FGV)