Apesar da campanha do Presidente Bolsonaro e seus apoiadores contra a vacinação para COVID-19, a grande maioria da sociedade e das lideranças políticas que participam do Twitter apoiaram a utilização de imunizantes para proteger a população ao longo de 2020. A análise das postagens feitas pelos candidatos à prefeitura nas eleições de 2020, em 17 cidades, sugere que os usuários do Twitter se engajam quando candidatos divulgam informações favoráveis a vacinas. O grande foco da atenção dos usuários foi localizado na CoronaVac e AstraZeneca, responsáveis atualmente por 29,6% (80.51 milhões de doses) e 40,9% (111.25 milhões de doses) das doses aplicadas no país, respectivamente, até o dia 10 de novembro de 2021.

Principais Resultados

O debate sobre vacinas no Brasil foi bastante intenso ainda em 2020. As postagens e menções
sobre CoronaVac e AstraZeneca protagonizaram a discussão nas mídias sociais no primeiro ano
da pandemia no país;
• A participação do Presidente no debate sobre vacinação no Twitter foi limitada a poucas postagens,
majoritariamente neutras, mas os discursos oficiais do Presidente Bolsonaro foram marcados por
questionamentos sobre as medidas mais eficazes de combate à pandemia;
• A partir do segundo semestre de 2020, houve uma inflexão no conteúdo dos discursos presidenciais
marcada por ataques direcionados aos imunizantes, com destaque para menções negativas à
CoronaVac;
• A maioria absoluta das postagens feitas pelos candidatos à prefeitura em 2020, apresentou
conteúdo favorável às vacinas e à vacinação. As postagens positivas também foram alvo de maior
engajamento por parte dos usuários, em termos de curtidas e compartilhamentos, em comparação
às mensagens neutras e desfavoráveis;
• Cerca de 73,7% das declarações no Twitter desfavoráveis às vacinas foram feitas por candidatos
considerados alinhados a Bolsonaro. Observa-se grande concentração destas mensagens nas
cidades de São Paulo, Curitiba e Belo Horizonte;
• O tema da obrigatoriedade da vacinação no país foi abordado abertamente, repetidas vezes por
aqueles que se posicionaram de maneira contrária à possibilidade de medidas que tornassem a
aplicação dos imunizantes para o SARS-CoV-2 compulsória.

Equipe responsável pela Nota Técnica Nº37

  • Lorena Barberia (USP)
  • Pedro P.Bruzzi (FGV-CEPESP)
  • Leonardo Barchini-Rosa (FGV-CEPESP)
  • Isabel Seelaender Costa Rosa (USP)
  • Maria Letícia Claro de F. Oliveira (USP)
  • Felipe Vilela (USP)
  • Rebeca de Jesus Carvalho (FGV-CEPESP)
  • André Garibe (USP)